São Paulo terá mais 354 radares nas ruas

As ruas de São Paulo terão, até o fim de abril, mais 354 radares de trânsito, segundo a Secretaria Municipal de Transportes. As três licitações abertas para a aquisição dos aparelhos serão concluídas em março. São 175 radares fixos, 26 móveis e 153 lombadas eletrônicas.A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) já começou a testar os equipamentos das 13 empresas ou consórcios que participam das concorrências. O valor dos três contratos, por 48 meses, é de R$ 40,2 milhões. ?A Prefeitura vem investindo em fiscalização eletrônica, onde é viável, para liberar os fiscais que podem agir em outros pontos da cidade, garantindo a segurança e melhorando a fluidez do trânsito?, afirmou ontem o secretário de Transportes, Alexandre de Moraes. Em 2007, a média de multas aplicadas por mês em São Paulo chegou a 330 mil. Atualmente, há 40 equipamentos fixos e 100 lombadas eletrônicas na capital. Com os novos radares, a Prefeitura estimou, na previsão orçamentária deste ano, arrecadar R$ 557 milhões com multas, um aumento de 17% em relação a 2007. Nos últimos três anos, a elevação chega a 70% - em 2004, foram arrecadados R$ 328 milhões. Entre 1997 e 2006, o valor obtido com as autuações na capital superou R$ 3,2 bilhões. Este ano, com a criação do Fundo Municipal de Trânsito, a verba das multas será aplicada em sinalização, engenharia de tráfego, policiamento e educação de trânsito. Até 2007, parte dessa receita podia ser usada para o pagamento do quadro de funcionários da CET. A Prefeitura diz que os radares têm o objetivo de reduzir a média de quatro mortes diárias no trânsito. Em 2006, 1.487 pessoas morreram em acidentes - 734 eram pedestres e as outras 753, ocupantes de veículos. Os radares serão instalados em corredores como a Avenida Sumaré, na zona oeste, e Vereador José Diniz, na zona sul. Mas a lista das vias que ganharão radares só será divulgada após a conclusão das licitações. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

AE, Agencia Estado

07 de fevereiro de 2008 | 08h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.