Sarcófagos da cultura chachapoyas são achados no Peru

Um conjunto de quatro sarcófagos da cultura chachapoyas foi encontrado por camponeses peruanos a mais de 2.700 metros de altura na região amazônica do Peru, informou neste domingo um jornal local.Os sarcófagos, de um metro e meio de altura, estão adornados com cabeças estilizadas de desenho similar aos que existem na localidade de Karajía, onde os antigos chachapoyas (1110-1300 de nossa era) enterravam seus líderes.O jornal El Comercio informou que a descoberta foi feita nas montanhas do distrito de Kohechan, província de Luya, a cerca de 45 quilômetros da cidade de Chachapoyas.O agricultor Bernardo Chuquizuta realizava trabalhos de limpeza de um terreno herdado de seu pai quando seu machete atingiu um monte de rochas sobre o qual estavam os sarcófagos.Após retirar a vegetação que cobria as imagens, Chuquizuta se convenceu de que o achado devia ser verificado pelas autoridades do Instituto Nacional de Cultura da região.O arqueólogo Manuel Malaver foi ao local e confirmou que o conjunto de sarcófagos pertencia a alguma das gerações dos líderes que governaram uma das etnias que deram origem aos chachapoyas.Malaver disse ao jornal que a modalidade de enterros dos hierarcas em sarcófagos é uma característica primordial que identifica os integrantes da etnia conhecida como os luyachillaos, que se desenvolveram nessa área.No entanto, lamentou que não se possam fazer testes de DNA e compará-los entre si porque quase todos os mantos funerários foram extraídos dos sarcófagos.O especialista disse que os mantos podem ter sido saqueados pelos próprios habitantes que os enterraram porque estes "costumavam mudar o repouso final de seus mortos de local".Em outra área do Amazonas, região fronteiriça com o Equador, existe outro tipo de sarcófago dos chachapoyas, como os mausoléus onde foram achadas as múmias de Leymebamba há alguns anos, além da fortaleza de Kuélap erguida para resistir à expansão do Império Inca.

Agencia Estado,

22 de outubro de 2006 | 14h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.