Satélites vêem mudança na gravidade após terremoto

Pela primeira vez, cientistas conseguiram usar dados de satélite para detectar mudanças na gravidade de parte da superfície da Terra, causadas por um gigantesco terremoto. A descoberta será publicada na revista , e se vale de dados recolhidos pelos dois satélites "Grace" da Nasa.A pesquisa pinta um quadro mais claro Dee como o planeta Terra mudou depois do terremoto de Sumatra-Andaman registrado em dezembro de 2004. Esse evento, com magnitude 9,1, desencadeou o trágico tsunami que matou mais de 230.000 pessoas.Centrado na costa oeste da ilha de Sumatra, o terremoto se seguiu ao deslizamento de duas placas continentais ao longo de uma gigantesca falha sob o fundo do mar. O deslizamento ocorreu ao longo de mais de 1.000 km da linha onde a placa indiana se insere por baixa da placa birmanesa, num processo conhecido como subdução. O tremor elevou o fundo do mar na região em vários metros, e por uma área de milhares de quilômetros quadrados. "O terremoto afetou a gravidade naquela parte do mundo de duas formas que pudemos detectar", explica Shin-Chan Han, pesquisador da Universidade Estadual de Ohio. Primeiro, disse ele, a elevação maciça do fundo do mar mudou a geometria da região e alterou as medições feitas pelo Sistema de Posicionamento Global (GPS) para a área. Em segundo lugar, a densidade da rocha abaixo do fundo do mar de alterou, e mudanças de densidade provocam mudanças detectáveis na gravidade.Os satélites Grace (sigla para Experimento de Recuperação de Gravidade e Clima) foram lançados em 2002 e vêem reunindo medições da gravidade na superfície da Terra desde então. Han e colegas reuniram dados referentes a vários anos para a região do Oceano Índico e eliminaram variações sazonais - as cheias do Rio Mekong, por exemplo, afetam a medição da gravidade na área. Um computador, alimentado com essas informações, criou uma imagem que mostrava aumento da gravidade em um lado da falha geológica, e uma redução no outro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.