Saúde de Niemeyer tem 'franca melhora'

O estado de saúde do arquiteto Oscar Niemeyer, internado há uma semana no Rio, está em "franca melhora", afirmaram seus médicos, baseando-se em exames laboratoriais deste domingo. Apesar da evolução, aos 104 anos, o quadro de Niemeyer ainda inspira cuidados, sobretudo por causa da idade. O paciente segue lúcido, respira e se alimenta sem a ajuda de aparelhos, mas não tem previsão de alta. Segundo os médicos e a esposa, Vera, Niemeyer tem discutido projetos com assistentes e está impaciente para voltar para casa.

VINICIUS NEDER, Agência Estado

11 de novembro de 2012 | 17h01

O arquiteto chegou ao Hospital Samaritano, no Rio, no último dia 2, com quadro de desidratação, provocada por uma gripe, e teve o funcionamento do rim afetado. Segundo explicou Fernando Gjorup, diretor médico do Hospital Samaritano e clínico pessoal de Niemeyer, a desidratação prejudica a função renal. No início de outubro, o arquiteto já havia sido internado com quadro de desidratação por causa da gripe. Esta é sua terceira internação neste ano.

Apesar da melhora, o funcionamento do rim ainda preocupa. "Na idade dele, tudo preocupa. Mas o mais importante é que a função (renal) vem melhorando. O rim dele sofreu com a desidratação, mas está melhor. Está respondendo ao tratamento", afirmou Gjorup, em entrevista coletiva convocada ontem para desfazer boatos sobre a morte do arquiteto, que passaram a circular na internet com mais intensidade na noite de sexta-feira.

Segundo o médico, Niemeyer tem as funções do coração e a respiração monitoradas, mas respira sem a ajuda de aparelhos. Há um suporte nutricional, embora o paciente consiga comer "espontaneamente". O arquiteto segue na Unidade Intermediária, para onde foi transferido sexta-feira.

Para exemplificar a lucidez de Niemeyer, Gjorup contou que, no fim de semana passado, presenciou uma conversa do arquiteto com um funcionário de seu escritório sobre um projeto em andamento. "Você puxa um assunto sobre os projetos em andamento e ele fica logo com os olhos brilhando", disse o neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, sobrinho do arquiteto.

Após a entrevista coletiva, a esposa de Niemeyer, Vera, citou projetos de construção de um centro cultural no Marrocos, uma biblioteca na Argélia, um museu em Portugal e uma vinícola na França como alguns dos quais o arquiteto quer cuidar. "Ele quer participar de tudo", afirmou Vera.

A esposa de Niemeyer também contou que tem recebido votos de melhoras de diversas partes do mundo. Chamou sua atenção um desenho do Museu de Arte Contemporânea (MAC) - obra de Niemeyer em Niterói, região metropolitana do Rio - feito por um menino de seis anos, desejando saúde, que chegou às suas mãos no sábado e ela ainda não teve tempo de responder. Vera está na expectativa de comemorar os 105 anos de Niemeyer, a serem completados em 15 de dezembro.

Tudo o que sabemos sobre:
Niemeyermelhorasaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.