Saúde de SP proíbe Ginko Biloba e Espinheira Santa

Empresa diz que já pediu registro dos produtos na Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Elisângela Roxo, do Estadão e Carlos Orsi, do estadao.com.br,

19 de setembro de 2007 | 14h34

O Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo, ligado à Secretaria da Saúde, proibiu a venda e fabricação dos fitoterápicos Ginko Biloba e Espinheira Santa, da empresa Vita Vita Comércio e Indústria, de Hortolândia, em São Paulo.   "Recomendamos ao consumidor que comprou os remédios da Vita Vita procurar seu médico para avaliar qual melhor procedimento para a sua saúde", afirma a diretora da Divisão Técnica de Produtos do Centro de Vigilância Sanitária, Isabel de Lelis Moraes.   Segundo o Centro de Vigilância, os produtos não têm registro no Ministério da Saúde, e por isso não poderiam ser comercializados. O diretor-técnico da Vita Vita, César Augusto de Souza, diz que os produtos têm pedido de registro, como alimento, protocolado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 2000. A empresa aguarda parecer da agência.    "Vamos adequar o produto ao que for pedido, e assim que possível voltaremos ao mercado", disse ele. No momento, a produção está parada, em obediência à determinação da vigilância estadual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.