Schincariol passa a se chamar Brasil Kirin em meio a nova estratégia

A Schincariol reformulou sua estratégia para ganhar força e ampliar presença no país e, a partir desta segunda-feira, passa a se chamar Brasil Kirin, um ano após a fabricante de bebidas ter sido adquirida pela cervejaria japonesa Kirin.

Reuters

12 de novembro de 2012 | 15h11

"O Brasil é um dos cinco principais países para a Kirin no mundo", disse nesta segunda-feira o presidente-executivo da companhia, Gino Di Domenico, a jornalistas. "Neste último ano tivemos resultados positivos, o que nos dá certeza de que estamos no caminho correto, e essa mudança marca o início de uma nova fase".

Segundo o executivo, a empresa deve fechar este ano com geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de 550 milhões de reais, comparado a 300 milhões em 2011.

Em 2012 até outubro, a agora Brasil Kirin apurou crescimento de 9,9 por cento no volume de vendas de cerveja, enquanto o setor como um todo teve alta de 3,3 por cento. Em faturamento, as vendas subiram 12 por cento no ano até o mês passado.

"Os números reforçam o investimento feito pela Kirin e nos dão base para um crescimento mais sustentado nos próximos anos", afirmou Di Domenico.

A cervejaria japonesa Kirin adquiriu em novembro do ano passado as ações dos minoritários da Schincariol, se tornando controladora da empresa brasileira que, segundo o executivo, "não tem plano de abrir capital no Brasil". Di Domenico assumiu o comando da companhia em fevereiro deste ano.

Segundo ele, a mudança da marca institucional não implicará em alterações nas marcas de produtos. "A marca Schin continua, porque é muito forte no país, principalmente no Norte e Nordeste... As marcas continuam, cada uma com a sua estratégia", disse ele.

O foco do novo posicionamento, ainda conforme o executivo, está em ganhar mais espaço nas regiões mais desafiadoras e reforçar as operações naquelas onde a empresa já tem uma posição mais confortável.

"Estamos deixando de ser uma empresa essencialmente industrial e passando a olhar o mercado e os consumidores... O foco está principalmente em distribuição", disse.

Nas regiões Nordeste e Centro-Oeste, por exemplo, a companhia já vem realizando investimentos para expandir a capacidade de produção, estratégia que será mantida.

O maior desafio, contudo, está nas regiões Sul e Sudeste, onde "estamos trabalhando para tornar a rede de distribuição mais forte, para que produtos cheguem a mais pontos de venda", acrescentou Di Domenico.

A estratégia de mudança da marca institucional, que contará com uma série de ações de divulgação, é parte do investimento de 480 milhões de reais programado pela empresa para o ano.

NOVOS PRODUTOS

Com 16,6 por cento do mercado brasileiro de cerveja e 6,83 por cento do de refrigerantes --conforme dados de outubro do Sistema de Controle de Produção de Bebidas (Sicobe)--, a Brasil Kirin pode ampliar o portfólio de produtos a partir do próximo ano.

Segundo Di Domenico, a empresa está estudando começar a vender no país alguns produtos fabricados pela Kirin no Japão. A fabricante japonesa possui um portfólio amplo, composto por vinho, alimentos, entre outros itens.

"Aqui estamos sendo mais seletivos, olhando bebidas alcoólicas e não-alcoólicas", disse o executivo, acrescentando que as novidades chegarão ao mercado brasileiro em 2013, mas sem especificar quais produtos serão introduzidos.

No Brasil, a companhia tem como principais concorrentes diretos AmBev e Grupo Petrópolis.

(Por Vivian Pereira)

Tudo o que sabemos sobre:
CONSUMOSCHINCARIOLNOVAMARCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.