'Science': reprogramar célula é maior avanço da ciência

A possibilidade de reprogramar células comuns do corpo, induzindo-as a assumir um comportamento semelhante ao de células-tronco, foi considerado o principal avanço da ciência mundial em 2008, de acordo com a revista Science. A publicação considerou que os trabalhos com reprogramação celular oferecem ferramentas para compreender melhor os mecanismos que levam ao surgimento de doenças como Parkinson, abrindo espaço para a descoberta de novos tratamentos. Essa linha de estudo teve início em 2006, quando cientistas japoneses, ao introduzirem quatro genes em células da cauda de camundongos, fizeram com que elas se parecessem e agissem de modo muito semelhante a células-tronco embrionárias (CTEs), que têm a capacidade de se diferenciar em qualquer outra célula do corpo. Pesquisadores que trabalham com a área consideraram que sua classificação como ?avanço do ano? é merecida. ?Confesso que quando saíram os primeiros estudos em 2006 fiquei meio cética, parecia bom demais, e ainda estava servindo para justificar o não-uso de CTEs, o que não é real. Mas nestes dois anos ela se consolidou com uma rapidez incrível?, diz a pesquisadora Lygia da Veiga Pereira, da USP, que está tentando derivar essas células no Brasil. Ela acredita, no entanto, que para virar um tratamento ainda é necessário superar muitas dificuldades. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

19 Dezembro 2008 | 10h01

Mais conteúdo sobre:
ciência avanços

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.