'Science': reprogramar célula é maior avanço da ciência

A possibilidade de reprogramar células comuns do corpo, induzindo-as a assumir um comportamento semelhante ao de células-tronco, foi considerado o principal avanço da ciência mundial em 2008, de acordo com a revista Science. A publicação considerou que os trabalhos com reprogramação celular oferecem ferramentas para compreender melhor os mecanismos que levam ao surgimento de doenças como Parkinson, abrindo espaço para a descoberta de novos tratamentos.Essa linha de estudo teve início em 2006, quando cientistas japoneses, ao introduzirem quatro genes em células da cauda de camundongos, fizeram com que elas se parecessem e agissem de modo muito semelhante a células-tronco embrionárias (CTEs), que têm a capacidade de se diferenciar em qualquer outra célula do corpo. Pesquisadores que trabalham com a área consideraram que sua classificação como ?avanço do ano? é merecida. ?Confesso que quando saíram os primeiros estudos em 2006 fiquei meio cética, parecia bom demais, e ainda estava servindo para justificar o não-uso de CTEs, o que não é real. Mas nestes dois anos ela se consolidou com uma rapidez incrível?, diz a pesquisadora Lygia da Veiga Pereira, da USP, que está tentando derivar essas células no Brasil. Ela acredita, no entanto, que para virar um tratamento ainda é necessário superar muitas dificuldades. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.