Secretaria contesta pesquisa da Apeoesp sobre violência

A secretaria afirma que a cada ano os índices de violência nas escolas estaduais vêm caindo

CARINA URBANIN, Agencia Estado

26 Fevereiro 2008 | 17h14

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo contestou os dados da pesquisa realizada pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) que afirma que 87% dos profissionais da educação no Estado já foram alvo ou conhecem algum caso de violência dentro da escola.   Violência em aula atinge 87% dos professores, diz pesquisa   Em nota distribuída nesta terça-feira, 26, a secretaria argumentou que responderam à pesquisa apenas 684 dos 250 mil profissionais da rede estadual, ou seja, 0,002% do total e, por isso, os números apontados pela Apeoesp não correspondem à realidade.   A secretaria afirmou, ainda, que a cada ano os índices de violência nas escolas estaduais vêm caindo e que os números da pesquisa divulgada pela Apeoesp são correspondentes ao ano de 2006.   Na nota, a secretaria informou que tem investido em programas que ampliem o respeito dos alunos aos professores, assim como a pais e responsáveis.   Segundo a Secretaria da Educação de São Paulo, o Estado conta com a maior rede de educação do País, com 5.550 escolas e cerca de 300 mil servidores e o número de agressões a professores não chegam a 0,08%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.