Secretaria transfere 6 de escola depredada em SP

Pelo menos seis alunos apontados pela Secretaria de Educação como responsáveis pelo quebra-quebra de anteontem na Escola Estadual Amadeu Amaral, no Belém, zona leste de São Paulo, vão ser transferidos. A direção identificou outros envolvidos na confusão, mas a secretaria optou por não informar o total de estudantes que serão encaminhados a outros colégios porque os pais ainda não haviam sido comunicados. O tumulto causou prejuízo de R$ 180 mil.A Polícia Militar instaurou inquérito para investigar as denúncias de que estudantes teriam sido agredidos pelos soldados que foram conter o vandalismo. Alguns alunos afirmam que foram trancados em salas pelos policiais e apanharam. Segundo eles, os PMs estavam sem identificação. Quatro alunos feridos registraram ocorrência. ?Não deixavam a gente falar. Chegaram batendo?, contou T., de 13 anos.Quinze dias antes da confusão, a diretora Maria Regina de Negreiros pediu ajuda à Vara da Infância e Juventude para tentar resolver problemas de indisciplina, agressões e invasão da unidade. Ela também acionou o Conselho Tutelar nesta semana. Segundo a promotora Luciana Bergamo, Maria Regina entrou em contato com o Ministério Público no fim de outubro, cerca de um mês após assumir a direção. ?Na semana passada, ela mostrou fotos de alunos no telhado e de luminárias, janelas e carteiras destruídas.? Na segunda-feira, quando houve mais uma depredação, a diretora procurou novamente o MP. Luciana soube que já havia um BO por danos ao patrimônio, de agosto. Cinco jovens envolvidos no episódio foram ouvidos por ela. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.