Secretaria vai exonerar delegado procurado no Rio

A Secretaria Especial da Ordem Pública (Seop) do Rio informou em nota que vai exonerar o delegado Carlos Oliveira da função de subsecretário do órgão. Oliveira havia reassumido o cargo há pouco mais de um mês. Convidado pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB) para coordenar as operações do Choque de Ordem, ele ficou na função entre janeiro e abril de 2009, quando assumiu a subchefia de Polícia Civil. Carlos Oliveira foi substituído pelo delegado Rodrigo Oliveira em outubro de 2010 e voltou à prefeitura este ano. "A Seop vai acompanhar atentamente as investigações da Polícia Federal (PF)", informou, em nota, a secretaria.

CLARISSA THOMÉ, Agência Estado

11 de fevereiro de 2011 | 12h06

A PF, em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro e o Ministério Público Estadual do Rio (MP-RJ), deflagrou nesta manhã a Operação Guilhotina, a fim de cumprir 45 mandados de prisão preventiva contra 11 policiais civis e 21 policiais militares, além de 48 mandados de busca e apreensão.

De acordo com a PF, o objetivo da operação é colocar fim à atuação de um grupo criminoso formado por policiais civis e militares, além de informantes envolvidos com o tráfico ilícito de drogas, armas e munições, com a segurança de pontos de jogos clandestinos (máquinas de caça-níqueis e jogo do bicho), venda de informações policiais e com milícias.

Uma das principais atividades do grupo era o chamado "espólio de guerra", que é a subtração de produtos de crime encontrados em operações policiais, como ocorrido na recente operação de ocupação do Complexo do Alemão, para revender as apreensões às quadrilhas rivais. As forças estaduais destacaram hoje 200 homens, além de dois helicópteros e quatro lanchas. As equipes da PF empregam um efetivo de 380 homens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.