Secretário acusado de fraude pede demissão

O médico Jorge Pagura, da pasta de Esporte, teria recebido sem fazer plantões no Hospital de Sorocaba

, O Estado de S.Paulo

20 Junho 2011 | 00h00

O secretário estadual de Esporte, Lazer e Juventude, Jorge Pagura, deixou o cargo ontem após ter seu nome vinculado à investigação do Ministério Público sobre fraudes nas escalas de plantões médicos. Pagura é neurocirurgião e, de acordo com escutas telefônicas obtidas pela promotoria, teria recebido pagamento do Estado por plantões não trabalhados no Hospital de Sorocaba em 2009 e 2010. As gravações foram divulgadas ontem no programa Fantástico, da TV Globo.

Nomeado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) para a pasta de Esportes no início deste ano, Pagura é médico de renome e foi secretário municipal de Saúde por dois anos, na gestão de Celso Pitta (1997-2000). Após deixar o cargo na Prefeitura de São Paulo, Pagura voltou a se dedicar à medicina. Seu nome, entretanto, acabou aparecendo em meio a investigações do Ministério Público sobre o Hospital de Sorocaba, um dos mais importantes do interior paulista.

Na semana passada, 13 pessoas foram presas por envolvimento em um esquema de fraude em plantões. Os profissionais foram acusados de não trabalharem nos plantões mas, mesmo assim, receberem pagamentos pelo serviço. Só no Hospital de Sorocaba, segundo o Fantástico, as fraudes teriam causado um rombo de mais de R$ 2 milhões.

Um dos presos foi o ex-diretor do hospital entre outubro de 2008 e dezembro de 2010, Ricardo Salim. Com autorização judicial, a polícia grampeou seu telefone e descobriu um diálogo entre o ex-diretor e Pagura - que seria nomeado secretário de Esportes apenas um mês depois. Na conversa, transmitida pelo programa, os dois combinam uma mudança no hospital em que o neurocirurgião teria os seus plantões registrados.

"O seu ponto está sob controle. Mas daí vamos tomar cuidado, semana que vem, vamos pôr em algum lugar mais seguro", diz Salim. "Tá certo", responde Pagura. Logo depois, o ex-secretário acrescenta: "Não vamos deixar pintar na boca de alguma coisa". Salim responde: "Exatamente. De repente, vem um cara e cutuca o que não deve".

As suspeitas aumentaram após a polícia encontrar escalas de plantões de 2009 e 2010 com o nome de Pagura e ouvir a ex-chefe de Recursos Humanos do Hospital de Sorocaba, Márcia Regina Ramos. Em depoimento também divulgado pelo Fantástico, Márcia afirmou que Pagura jamais apareceu para dar os plantões. Ela afirmou ainda que foi nomeada este mês para ser secretária do médico na pasta estadual de Esportes.

Explicações. Ao programa, Pagura confirmou ter nomeado Márcia para um cargo na secretaria, mas disse que a nomeação já havia sido cancelada. Ele afirmou que nunca fez plantões no hospital e que não recebeu por eles - segundo o médico, o trabalho que ele realizava lá era o de desenvolvimento de projetos, com verba do SUS. Pagura não foi localizado pelo Estado na noite de ontem.

Em nota, o governo afirmou que Pagura solicitou sua demissão do cargo em caráter voluntário na última sexta-feira, "com o objetivo de facilitar o esclarecimento dos fatos investigados pelo Ministério Público e pela Corregedoria Geral da Administração". Segundo a nota, o pedido foi aceito pelo governador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.