Secretário da Força reconhece movimento enfraquecido

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, afirmou, há pouco, que a central está satisfeita com as manifestações desta quinta-feira, 11, no chamado Dia Nacional de Luta. Contudo, o sindicalista reconheceu ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, que a ausência de categorias de peso, como motoristas de ônibus e metroviários, que não pararam suas atividades na capital paulistana, enfraqueceu o movimento.

CARLA ARAÚJO, Agência Estado

11 de julho de 2013 | 13h36

Apesar do reconhecimento, Juruna disse que o objetivo principal do movimento foi atendido: "O que queríamos era fazer a mobilização e chamar atenção. E isso nós conseguimos", emendou. Questionado se a adesão não estaria aquém das expectativas, ele rebateu afirmando que a "Força conseguiu fazer ações em todos os bairros da capital paulista e em diversas cidades do Pais".

O sindicalista não falou sobre o número de pessoas que as centrais esperavam reunir no ato da Avenida Paulista, que acontece no início desta tarde. Pelas projeções da Polícia Militar, cerca de duas mil pessoas estão presentes no ato. Até as 12h30, os presidentes das principais centrais sindicais não haviam chegado à Avenida Paulista para participar do ato.

Mais conteúdo sobre:
protestoSPForça Sindical

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.