Secretário-geral da ONU critica restrições a viajantes de países atingidos por Ebola

Secretário-geral da ONU critica restrições a viajantes de países atingidos por Ebola

Para Ban Ki-moon, as restrições aumentam a pressçao sobre agentes de saúde que estão na linha de frente da reação ao vírus

REUTERS

27 de outubro de 2014 | 15h41

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, criticou nesta segunda-feira as recentes restrições a viajantes provenientes de países atingidos pelo Ebola, dizendo que essas regras criaram dificuldades para os trabalhadores de saúde que arriscam suas vidas na batalha contra a doença.

"Ele (Ban) acredita que essas restrições colocam pressão sobre os trabalhadores de saúde e aqueles que estiveram na linha de frente da reação ao Ebola", disse o porta-voz de Ban, Stephane Dujarric.

O porta-voz não revelou o nome de países específicos, mas reconheceu a repórteres que a declaração tinha ligação com as novas regras de quarentena em Nova York e Nova Jersey.

"Os trabalhadores de saúde são pessoas excepcionais que estão dando de si para a humanidade", disse Dujarric, citando as opiniões do chefe da ONU. "Eles não devem ser submetidos a restrições que não são baseadas na ciência. Aqueles que desenvolvem infecções devem ser apoiados, não estigmatizados."

(Reportagem de Louis Charbonneau)

Mais conteúdo sobre:
SAUDEEBOLAONURESTRICOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.