Seis morrem em incêndio após protesto na Coreia do Sul

Confronto ocorre dois dias depois do presidente sul-coreano substituir comandante de polícia

LEE JAE-WON E JACK KIM, REUTERS

19 Janeiro 2009 | 23h01

Seis pessoas morreram na terça-feira, 19, no incêndio em um prédio de cinco andares durante um confronto entre a polícia e moradores que protestavam contra a demolição do edifício no centro de Seul, informou a rede de TV a cabo YTN. Os cinco mortos estariam entre os mais de 40 moradores que, segundo uma testemunha ouvida pela Reuters, estavam presos no edifício em chamas. Momentos antes do incêndio, moradores foram vistos jogando coquetéis Molotov do topo da edificação nas primeiras horas da terça-feira (horário local). A YTN não deu mais detalhes. Equipes de resgate no local e por telefone não conseguiram dar mais detalhes. "Policiais estavam jogando jatos de água no telhado do prédio onde os manifestantes jogavam os coquetéis Molotov para resistir a uma possível invasão", disse um fotógrafo da Reuters. O incêndio ocorre dois dias depois de o impopular presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, ter substituído o seu comandante de polícia acusado de ser severo demais com manifestantes contrários ao governo. Já na metade da manhã, o incêndio havia sido apagado, mas a polícia bloqueava acesso ao edifício. Dezenas de moradores na área amplamente comercial de Yongsan, que tem passado por processos de revitalização, têm se envolvido em confrontos com a polícia desde a manhã de segunda-feira para exigir uma maior compensação para abandonar suas casas.

Mais conteúdo sobre:
SULCOREIAINCENDIOMORREM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.