Seis veículos incendiados durante protesto em NIterói

Três ônibus e três carros foram incendiados nesta tarde durante protesto de moradores do bairro Caramujo, em Niterói (cidade na Região Metropolitana), contra a morte de Anderson Luiz Santos da Silva, de 21 anos, baleado na cabeça na madrugada de sexta-feira, 18.

SERGIO TORRES, Agência Estado

19 Abril 2014 | 15h05

Os manifestantes acusam policiais militares de terem matado o rapaz. A Polícia Militar (PM) nega envolvimento no crime. A Polícia Civil registrou a morte como provocada por bala perdida, disparada durante confronto entre traficantes de drogas e policiais militares. As armas dos PMs envolvidos no tiroteio foram apreendidas, para a realização de perícia.

Anderson, que trabalhava como eletricista, foi baleado quando deixava a Igreja Nossa Senhora de Nazareth, onde participara de uma vigília de Páscoa. A irmã dele, de 9 anos, também foi baleada, mas não corre risco de morrer.

Além de queimar os veículos, os manifestantes interditaram a rodovia Amaral Peixoto (um dos acessos à Região dos Lagos), na altura do Caramujo, e a alameda São Boaventura, umas das principais vias de Niterói.

O protesto começou depois do sepultamento de Anderson, ocorrido de manhã no cemitério do Maruí, em Niterói.

Mais conteúdo sobre:
PROTESTO MORTE NITEROI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.