Sem China, não haverá plano de mudança climática, diz ONU

Ban Ki-moon disse esperar que o país busque crescimento econômico de forma sustentável

Efe e Reuters,

24 Julho 2009 | 04h36

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, destacou em Pequim que não será possível um novo acordo internacional na cúpula sobre a mudança climática marcada para dezembro em Copenhague sem a cooperação da China.   Veja também: ONU quer ajuda de US$ 10 bi para lançar pacto climático   "Sem a China, não haverá sucesso em um acordo internacional sobre o clima", disse o secretário-geral das Nações Unidas, nesta sexta-feira, 24.   Ban Ki-moon participou hoje do lançamento de uma iniciativa conjunta para o uso de lâmpadas de baixo consumo na China e afirmou que o país pode ser um modelo de luta contra a mudança climática se investir em "crescimento verde e energias limpas".   Um comunicado da ONU afirmou que, durante sua estadia de quatro dias na China, o secretário-geral pedirá às autoridades para que continuem impulsionando o crescimento sustentável e ao mesmo tempo melhorem a qualidade de vida da população.   Segundo a ONU, as consequências da mudança climática podem ser dramáticas para a China e incluem a desertificação, secas severas e impacto negativo na produção agrícola. Quase um bilhão de pessoas podem ser afetadas por estas mudanças na Ásia, sendo 300 milhões apenas na China.   Segundo Ban, o Governo chinês deve priorizar o crescimento verde e sustentado com baixas emissões de gás carbônico, o que também ajudará a melhorar os padrões de vida da população.   De Pequim, o secretário-geral da ONU viaja para a Mongólia, onde se reunirá com as principais autoridades locais.

Mais conteúdo sobre:
Ambiente aquecimento global ONU Copenhague

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.