Sem chuva, cafeicultor inicia colheita

Chuva prolongada neste ano atrasou a safra do grão e vem[br]mantendo baixo o volume comercializado

Fábio Marin, O Estado de S.Paulo

09 Julho 2008 | 01h58

Mais uma semana de tempo seco em todo o Estado de São Paulo. O clima mantém a tendência de queda da umidade do solo, que chegou a 35% da capacidade máxima de retenção em Ilha Solteira e Votuporanga. Apesar da redução, a condição ainda é considerada favorável se comparada ao regime típico de chuvas nesta época do ano.O regime de chuva bem distribuído e com bons volumes até o início de junho garantiu o suprimento hídrico para as culturas perenes sem irrigação. As pastagens também se beneficiaram com o clima, que permitiu que os pecuaristas mantivessem o gado no pasto em melhores condições do que nos anos anteriores.A chuva também trouxe benefício para os cafezais, mas atrasou o início da colheita nesta safra, explicando o baixo volume de café negociado no mercado até o momento. Com isso, os produtores têm aproveitado o tempo seco para acelerar a derriça e a secagem dos grãos, recuperando o atraso observado entre maio e junho.Nos canaviais, o tempo seco permite que as usinas recuperem o tempo perdido, mas o excesso de umidade reduziu o teor de açúcar da cana colhida até o momento, baixando o rendimento industrial para a produção de açúcar e álcool. Entretanto, se o tempo seco e a queda da umidade do solo continuarem, esse quadro deve ser revertido até o mês de agosto.*Fábio Marin é pesquisador da Embrapa Informática Agropecuária. Para mais informações sobre tempo e clima, acesse www.agritempo.gov.br

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.