Sem-terra voltam a bloquear rodovias no Mato Grosso do Sul

Segundo estimativa da polícia rodoviária, pouco mais de 800 sem-terra participaram de dois bloqueios

JOÃO NAVES DE OLIVEIRA, Agencia Estado

19 Fevereiro 2008 | 15h36

Sem-terra ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) reiniciaram hoje os bloqueios nas rodovias federais de Mato Grosso do Sul. Pela manhã, fecharam o tráfego de veículos em dois pontos da BR-163, no quilômetro 320 em Rio Brilhante, região leste do Estado, e no entroncamento da BR-163 com a BR-486 em Naviraí, extremo Sul. Segundo estimativa da Polícia Rodoviária Federal, que acompanhou de perto a manifestação, pouco mais de 800 sem-terra participaram dos dois bloqueios. Eles querem garantia oficial da permanência do engenheiro agrônomo Luiz Carlos Bonelli na superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O senador Valter Pereira de Oliveira (PMDB-MS) quer substitui-lo pelo professor universitário Flodoaldo Alves, que os manifestantes afirmam pertencer ao Movimento Nacional dos Produtores. O deputado federal Vander Loubet (PT-MS) garante que não haverá a substituição.Segundo líderes do MST, Oliveira, Loubet e o presidente do Incra, Rolf Hackbart, reuniram-se hoje pela manhã em Brasília para discutir uma possível mudança no cargo da superintendência da entidade. Como nada ficou definido, foi marcada nova reunião para esta tarde.Os sem-terra iniciaram a série de interrupções de rodovias no MS contra a substituição de Bonelli no final do mês passado, mas suspenderam as manifestações durante o período do carnaval. Segundo os líderes dos movimentos que firmaram acordos para defender o engenheiro agrônomo, a partir deste mês, as ações de protestos continuarão até a solução do impasse.

Mais conteúdo sobre:
Sem-terraMST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.