Senadora quer que Haddad explique livros com erros

Coleção Escola Ativa, entregue para alunos de colégios rurais no ano passado, afirma que 10 - 7 = 4

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

05 Junho 2011 | 00h00

Após a polêmica do kit anti-homofobia e da discussão do "nós pega o peixe" do livro Por uma vida melhor, o ministro da Educação, Fernando Haddad, deve ser convocado para dar explicações ao Senado sobre o último episódio envolvendo a pasta - o guia de matemática que ensina que 10 - 7 = 4 e 16 - 8 = 6.

A senadora Marisa Serrano (PSDB-MS) deve apresentar requerimento à Comissão de Educação da Casa para que Haddad dê explicações sobre os livros com erros distribuídos a mais de 39 mil classes da zona rural pelo programa Escola Ativa.

Os erros foram detectados no início do ano e um grupo de especialistas julgou que eles eram tão graves que não bastava divulgar uma errata à coleção. A pedido do MEC, a Controladoria-Geral da República deve abrir sindicância para investigar o caso. "São erros básicos, grosseiros", criticou Serrano. "A ideia que passa é que há um problema de gestão no MEC, embora o ministro não admita. O contribuinte brasileiro está pagando por esses erros."

O secretário executivo de Direitos Humanos, André Lázaro, entregou na sexta-feira uma carta de demissão em que alega "motivos pessoais". Lázaro era o chefe da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) quando foi feita a edição e distribuição dos livros com erros. Nos próximos dias deve haver uma reunião do ministério com os coordenadores do programa Escola Ativa para definir como o problema será contornado, sem que os exemplares sejam desperdiçados.

Para Daniel Cara, coordenador da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, o erro é imperdoável. "O MEC e os governos estaduais precisam melhorar os mecanismos de controle de qualidade", disse.

Distribuição. A assessoria do MEC informou ontem que até agora foram encontrados erros em 5 dos 35 livros que compõem a coleção Escola Ativa. Como foram distribuídas 200 mil coleções, haveria erros em pelo menos 1 milhão de exemplares.

Os livros, que foram entregues no segundo semestre de 2010, eram destinados a turmas multisseriadas, que reúnem em uma só classe alunos da 1ª à 4ª série. Segundo registro no Portal da Transparência, site mantido pela Controladoria-Geral da União, o trabalho custou aos cofres públicos R$ 13,6 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.