Senegal diz que FAO deveria ser fechada

Presidente do país diz que crise dos alimentos é, em grande parte, culpa do órgão.

Da BBC Brasil, BBC

05 de maio de 2008 | 12h05

O presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, afirmou que a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) é um "desperdício de dinheiro" e deveria ser fechada.Wade fez o comentário dias depois de a FAO anunciar um plano de emergência para controlar o aumento no preço dos alimentos. A organização planeja destinar US$ 200 milhões para ajudar agricultores e aumentar a produção nos países mais afetados pela crise."A atual situação é, em grande parte, culpa da organização, e os gritos de alarme não ajudarão", disse Wade, no domingo, em pronunciamento de rádio e televisão no Senegal.O presidente senegalês disse que o trabalho da FAO é duplicado por outras agências da ONU que funcionam mais efetivamente, como o Fundo Internacional para o Desenvolvimento da Agricultura.Wade afirmou que já havia pedido, no passado, para que a FAO fosse transferida de Roma para um país na África - o continente mais afetado pela falta de alimentos."Dessa vez, eu estou indo além, nós deveríamos acabar com ela", afirmou.GreveNesta segunda-feira, os padeiros da Nigéria iniciaram uma semana de greve em protesto contra o preço da farinha e do açúcar.O preço de alguns produtos quase dobraram nos últimos três anos, provocando distúrbios e protestos na África, na Ásia e na América Latina.O aumento da produção de biocombustíveis, o crescimento do consumo na Índia e na China, as colheitas magras e a alta no preços dos combustíveis e nos custos de transportes já foram responsabilizados pela recente escalada no preço dos alimentos.O Banco Mundial disse que 2 bilhões de pessoas em todo o mundo já foram afetadas pela atual crise e alertou que 100 milhões podem ser levados à pobreza.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
onu senegal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.