Sentença do caso Renascer sai em dias

Julgamento do processo por evasão de divisas de Sonia e Estevam Hernandes terminou, mas juiz adiou decisão

Eduardo Nunomura, O Estadao de S.Paulo

27 de novembro de 2009 | 00h00

O que era para ser um julgamento simples se converteu ontem em uma operação da Polícia Federal para buscar uma testemunha que defenderia o casal Estevam e Sonia Hernandes, fundadores da Igreja Renascer. A defesa tentou postergar e até converter o julgamento em novas diligências para suspender o processo no qual os dois são acusados de crimes de falsidade ideológica e evasão de divisas - em 2007, eles tentaram entrar nos EUA com US$ 56 mil escondidos dentro de malas e de uma Bíblia. O juiz Fausto De Sanctis, da 6ª Vara Federal Criminal, afastou a possibilidade de adiamento e deve pronunciar a sentença nos próximos dias.

O Ministério Público Federal desistiu de acusar o casal por falsidade ideológica, mas manteve a acusação de evasão de divisas. O advogado Luiz Flávio Borges D"Urso pediu a absolvição de seus clientes, argumentando que não há provas contra o casal no Brasil. "Tecnicamente, para o crime de evasão, o indivíduo precisa ser surpreendido e o dinheiro que eventualmente venha a ser apreendido em quantia acima do valor permitido precisa ser alvo de perícia para saber se não se trata de xerox colorido", disse. A defesa foi entregue por escrito, em 37 laudas. O casal preferiu ficar calado durante a audiência.

A expectativa era que seis testemunhas fossem ouvidas ontem. Duas prestaram depoimento no início da tarde, mas a terceira delas, Sergio Madaleno de Jesus, faltou ao julgamento. A defesa insistiu em ouvi-lo, dizendo que era fundamental ao processo, e desistiu das outras três testemunhas. O juiz De Sanctis decidiu acionar dois policiais federais e dois oficiais de Justiça para procurar a testemunha na rádio e na sede da Igreja Renascer. Também aplicou contra ela multa de 10 salários mínimos e instaurou processo pelo crime de desobediência.

Durante o julgamento, a bispa Sonia demonstrou tensão e chegou a chorar ao lembrar do filho que está internado com graves problemas de saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.