Serial killer francês é condenado à prisão perpétua

Michel Fourniret admitiu ter seqüestrado e matado sete meninas e mulheres.

Da BBC Brasil, BBC

28 de maio de 2008 | 14h00

Michel Fourniret, o assassino francês que matou sete meninas e mulheres em um período de 14 anos, foi condenado à prisão perpétua nesta quarta-feira, na França.Fourniret, que passou a ser conhecido como o "Ogro das Ardennes", em referência à região de bosques entre Bélgica e França onde atuava, havia admitido ter seqüestrado e matado suas vítimas entre 1987 e 2001.O tribunal da cidade de Charleville Meziere também condenou a mulher de Fourniret, Monique Olivier, por cumplicidade nos crimes. Olivier ajudava o marido a atrair as vítimas. O promotor descreveu Fourniret como um "monstro" e chamou sua mulher de uma "bruxa dissimulada".As sete mulheres assassinadas tinham entre 12 e 22 anos. Elas morreram a tiros, estranguladas ou esfaqueadas. A maioria também foi estuprada.ConfiançaFourniret, de 66 anos, costumava escolher a próxima vítima enquanto dirigia. Ele parava para perguntar por informações e convencia a jovem a entrar no carro.A presença da mulher dele no veículo tinha o objetivo de passar confiança às vítimas.Olivier, de 59 anos, terá de passar pelo menos 28 anos na cadeia, segundo o tribunal.Apesar de ter admitido os crimes, Fourniret se recusou a cooperar durante o julgamento de dois meses. Fourniret - que, no tribunal, descreveu a si mesmo como "um indivíduo extremamente perigoso" - disse que não vai apelar contra a sentença.Ele também é suspeito de seqüestrar, estuprar e matar a assistente de ensino britânica Joanna Parrish, de 20 anos, enquanto ela trabalhava na cidade francesa de Auxerre, em 1990. Fourniret também é investigado pelo seqüestro e assassinato de Marie-Angele Domece, uma deficiente francesa de 19 anos. Ele nega envolvimento nas mortes.O condenado francês foi preso na Bélgica, em 2003, depois de tentar seqüestrar uma garota de 13 anos que conseguiu escapar.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.