Sérvia quer que ONU se oponha à independência de Kosovo

Província pode declarar independência neste fim de semana; Rússia faz ameaça.

Da BBC Brasil, BBC

15 de fevereiro de 2008 | 09h30

O ministro do Exterior da Sérvia, Vuk Jeremic, pediu ao Conselho de Segurança da ONU que se oponha à independência de Kosovo, que pode ser declarada já neste fim de semana.Jeremic disse que a Sérvia não vai usar a força para impedir a separação, mas advertiu que a independência representaria um sinal verde para outros movimentos separatistas.A maioria kosovar de origem albanesa deve declarar a independência nos próximos dias.A Rússia, aliada da Sérvia, afirma que o reconhecimento de um Kosovo independente seria ilegal e imoral, e disse que estaria disposta a reconhecer regiões separatistas de outros países, caso o Ocidente reconheça a independência de Kosovo.Sessão fechadaFalando depois de uma reunião a portas fechadas do Conselho de Segurança, o ministro sérvio afirmou que não é tarde demais para que os diplomatas evitem uma declaração unilateral de independência.Ele pediu ao Conselho de Segurança que seja mantida uma negociação sobre o futuro status de Kosovo.Mas Jeremic também alertou que a independência de Kosovo abriria um precedente em todo o mundo, levando a "uma cascata descontrolada de secessões".Mais cedo, na quinta-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, rejeitou em uma entrevista coletiva a idéia de que Kosovo seja um "caso especial".Ele argumenta que Kosovo está na mesma categoria que conflitos separatistas em outros países da antiga União Soviética, como a Geórgia - o governo russo chegou a dizer que estaria disposto a reconhecer a Abkázia e a Ossétia do Sul, ambas províncias da Geórgia. Putin afirmou que a Rússia - membro permanente do Conselho de Segurança da ONU e tradicional aliado da Sérvia - tem um "plano pronto e nós sabemos o que vamos fazer".Segundo o correspondente da BBC no quartel general da ONU Matt Wells, a França, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos, também membros do Conselho de Segurança, permanecem firmes em sua visão de que a província autônoma deve decidir por si própria e que países membros da ONU devem decidir individualmente se vão ou não apoiar um Kosovo independente.Para esses Estados, a ONU não tem nenhum papel real em Kosovo, apesar de que a missão da organização deverá permanecer no território no futuro próximo.Missão européiaA ONU administrava Kosovo até dezembro de 2007, desde que uma campanha militar da OTAN expulsou as forças sérvias acusadas de perseguir a maioria de origem albanesa da província, em 1999.Até o fim da semana, os países membros da União Européia devem aprovar uma missão incluindo polícia civil e justiça para Kosovo.Até o começo de Junho, 1.500 policiais, inclusive tropas de choque, e 250 juízes, promotores e oficiais de alfândega deverão estar atuando para manter a estabilidade no país auto-declarado.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.