Sérvia repudia independência de Kosovo

O primeiro-ministro e o presidente daSérvia repudiaram a declaração de independência de Kosovo nestedomingo, mas mostraram sinais bem diferentes sobre quais seriamas consequências do fato nas relações sérvias com o Ocidente. O primeiro-ministro nacionalista, Vojislav Kostunica, queliderou uma batalha diplomática para manter Kosovo, atacou osEstados Unidos e a Europa por apoiarem a secessão da província,tida pelos sérvios como coração de sua cultura e história. Num pronunciamento dirigido à nação minutos após aformalização da independência de Kosovo, Kostunica acusou osEstados Unidos de estarem "prontos para violar a ordeminternacional em prol de interesse militares próprios". "Enquanto o povo sérvio existir, Kosovo será a Sérvia",disse Kostunica. "A declaração do falso Estado, sob a supervisão dos EstadosUnidos e da União Européia, é o ato final da política de forçainiciada com o bombardeio da Sérvia e que continuou com achegada das tropas da Otan a Kosovo." Os EUA lideraram as forças aéreas da Otan em 1999,retirando as tropas sérvias da província para evitar oassassinato em massa de cidadãos albaneses em uma operaçãocontra insurgentes. Kostunica afirmou que protestos em massa seriam convocadosem breve, mas que havia poucos sinais de descontentamentopopular espontâneo em relação a uma questão altamente sensívelpara os sérvios. PRESIDENTE DESCARTA USO DE VIOLÊNCIA O presidente sérvio pró-Ocidente, Boris Tadic, cujo partidogoverna por meio de uma coalizão bastante frágil com o partidode Kostunica, censurou a iniciativa de Kosovo, mas pediu calma. "A Sérvia nunca reconhecerá a independência de Kosovo", mas"passará por isso em paz, com dignidade", afirmou. "A Sérvia não usará de violência", acrescentou em umcomunicado. "A Sérvia continuará... e defenderá seus interessese a lei internacional, não importa quanto tempo leve." A Rússia, aliado mais poderoso de Belgrado e que rejeitou aindependência da província sérvia, requisitou discussões doConselho de Segurança da ONU sobre a secessão de Kosovo. Tadic defende separar a questão com Kosovo do pedido deingresso da Sérvia na União Européia. Kostunica, porém, insisteque Bruxelas deve desistir de apoiar Kosovo caso deseje que aSérvia integre o bloco. A reação mais radical veio do chefe da Igreja OrtodoxaSérvia em Kosovo, o bispo Artemije, que criticou as forçasarmadas da Sérvia por não tomarem qualquer atitude. "A Sérvia deveria comprar armas modernas da Rússia e deoutros países e pedir que a Rússia enviasse voluntários paraestabelecer uma presença militar na Sérvia", disse. Kosovo espera o reconhecimento de sua independência porWashington e pela maior parte dos países da União Européia. (Reportagem adicional de Ljilja Cvekic)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.