Sete Brasil será integrada ao Programa Progredir da Petrobras

A Sete Brasil, empresa contratada pela Petrobras para o fornecimento de 28 sondas de perfuração de poços de petróleo, será incorporada ao Programa Progredir, de financiamento da cadeia de fornecedores da estatal.

REUTERS

07 Maio 2012 | 19h01

Mas o diretor financeiro da Petrobras, Almir Barbassa, disse nesta segunda-feira que, no caso da Sete, será criado um programa específico para a empresa. Neste caso, a própria Sete dará parte das garantias aos bancos para empréstimos de seus fornecedores e não a Petrobras, como tradicionalmente é feito.

O Progredir viabiliza a oferta de crédito a custo reduzido para toda a cadeia de fornecimento da Petrobras e beneficia, principalmente, pequenas e médias empresas, que possuem mais dificuldade de acesso a crédito.

O programa permite que empresas fornecedoras da estatal obtenham empréstimos junto aos seis bancos parceiros (Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú, HSBC e Santander) com base nos contratos de fornecimento de bens e serviços assinados com a companhia.

A Sete será a garantidora dos financiamentos, segundo Barbassa, porque ela será a dona das sondas de perfuração e não a Petrobras. A Sete encomendou os equipamentos junto a seis estaleiros brasileiros e pretende gastar 27 bilhões de dólares na construção das sondas.

Já a Petrobras irá arrendar os equipamentos quando estiverem prontos e pode pagar até 80 bilhões de dólares no aluguel do pacote.

Barbassa disse que ainda não está definido qual o papel da Petrobras no apoio aos fornecedores da Sete. "Nós não somos os donos das sondas, mas a Sete é. Então, na fase de construção dos equipamentos ela será a garantidora. Mas, por sua vez, a empresa é uma prestadora de serviços à Petrobras".

Lançado em 6 de junho do ano passado, o Progredir superou a marca de 2 bilhões de reais em financiamentos. Até o início de maio, foram realizadas 442 operações, envolvendo 251 empresas de 19 estados de todas as regiões do Brasil.

(Reportagem de Leila Coimbra)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIA PETROBRAS PROGREDIR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.