Setor empresarial organizará evento paralelo no Rio

Humanidade 2012 será financiado pela indústria de São Paulo e do Rio e pretende debater modos sustentáveis de produção

HELOISA ARUTH STURM/ RIO, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2012 | 03h02

A iniciativa privada também terá o seu espaço de discussões durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Enquanto governos debatem no Riocentro e ambientalistas se encontram no Aterro do Flamengo, o Forte de Copacabana, na zona sul do Rio, será o local do evento Humanidade 2012, que ocorrerá entre os dias 11 e 22 de junho.

"Tudo será focado no ser humano. Quando falarmos do desenvolvimento sustentável da indústria será para falar da necessidade do homem em ter as coisas, em consumir, e a indústria servir ao homem", disse o empresário Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Orçado em R$ 44 milhões, o evento será custeado pela Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Fiesp, Sesi, Senai e Fundação Roberto Marinho, e conta com patrocínio do Sebrae e da Prefeitura do Rio - de acordo com a assessoria do prefeito Eduardo Paes (PMDB), o patrocínio não envolve apoio financeiro.

Um edifício-andaime de altura equivalente a um prédio de seis andares está sendo erguido numa área de 7 mil m². "Um dos princípios da sustentabilidade em arquitetura é construir com o que você pode e com o que você tem. Fizemos uma visita a um terreno e a primeira coisa que encontramos foram esses andaimes", afirmou a arquiteta Carla Juaçaba, autora do projeto em parceria com a cenógrafa Bia Lessa.

A estrutura abrigará salas suspensas onde se realizarão exposições, atividades culturais e debates - entre eles o C-40, encontro dos prefeitos de 40 grandes cidades do mundo, e o TEDxRio+20, série de palestras de 18 minutos com diversos especialistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.