Siderúrgica coreana Dongkuk mantém plano para usina no Brasil

A siderúrgica sul-coreana Dongkuk Steel informou na quarta-feira que vai seguir em frente com um projeto no Brasil, apesar de preocupações sobre a perda de um parceiro do plano e futuro incerto de uma miniusina. A Dongkuk informou na semana passada que iria reconsiderar um plano para construção de uma miniusina, ou um forno a arco elétrico, no Brasil uma vez que condições do mercado de energia em rápida alteração e cobranças de aumentos de preços de gás por fornecedores tornaram o projeto inicialmente anunciado em dezembro de 2005 menos viável. O projeto da miniusina tem sido liderado pela Ceara Steel, uma joint venture entre a Dongkuk e a fabricante italiana de equipamentos siderúrgicos Danieli. Outros parceiros do projeto, que prevê um investimento de 750 milhões de dólares para a construção de uma usina de placas com capacidade anual para 1,5 milhão de toneladas no Ceará, incluem o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo. "Com atrasos no projeto da Ceara Steel, vamos nos concentrar em um projeto de alto-forno separado e maior no Brasil", disse o porta-voz da Dongkuk, Kim Sung-hong. A Dongkuk tem conduzido um estudo de viabilidade com a Vale para a construção do alto-forno com capacidade de 3 milhões de toneladas e convidou no ano passado a japonesa JFE Holdings para dobrar a capacidade por meio da construção conjunta de um segundo alto-forno. Mas a JFE, terceira maior siderúrgica do mundo e segunda maior acionista da Dongkuk, informou em novembro que poderia cancelar o projeto uma vez que a demanda por produtos de aço deve cair acentuadamente por conta da crise financeira global. "Se a JFE decidir participar, o segundo alto-forno será construído quando o primeiro começar a operar, mas decisões detalhadas ainda precisam ser tomadas", informou Kim. A Dongkuk fabrica produtos siderúrgicos como placas e barras de aço para navios a partir de sucata de aço importada que é usada em fornos elétricos. A empresa não tem experiência na tecnologia de alto-forno. (Por Miyoung Kim)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.