Silva Telles 'amou o Direito, a Justiça', afirma AASP

A Associação dos Advogados de São Paulo (AASP) manifestou, hoje, seu luto pela morte do jurista Goffredo da Silva Telles Jr. A entidade, que tem mais de 87 mil associados, lamentou a perda daquele que "amou o Direito, a Justiça, a Advocacia e o Brasil". Lembrou, ainda, que o professor da Faculdade de Direito do Largo do São Francisco deixou imenso legado aos seus alunos e, sobretudo, aos brasileiros.

PATRÍCIA FRANCO, Agencia Estado

28 de junho de 2009 | 21h08

"A extrema coragem e sabedoria, sempre reafirmadas ao longo de sua vida, ficaram ainda mais evidentes naquele 8 de agosto de 1977, quando, em pleno regime militar, no Páteo das Arcadas, o Professor leu a sua Carta aos Brasileiros, documento histórico, que exigia a volta imediata do Estado de Direito para o Brasil", diz a nota divulgada pela Assessoria de Imprensa da Associação.

Em 2002, a AASP prestou uma homenagem ao jurista numa das edições da Revista do Advogado, para a qual diversos juristas contribuíram com artigos que expressavam o carinho e a admiração pelo "grande mestre". Na mesma edição, o professor Goffredo também escreveu: "Advogado sempre fui. Sou advogado por destinação genética. Mas não só por isto: sou advogado por amor. Tirante a mais sublime das profissões - que é a de Professor da Faculdade de Direito do Largo de São Francisco -, não conheço profissão tão fascinante como a de advogado."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.