Sindicato de SP diz que descumprirá restrição a fretados

O Transfretur, principal sindicato patronal do segmento de ônibus fretados, anunciou ontem que vai continuar realizando serviços, mesmo com a entrada em vigor na segunda-feira da Zona de Máxima Restrição de Fretamento (ZMRF) - área de 70 quilômetros quadrados por onde esses veículos não poderão circular das 5 horas às 21 horas. Ao descumprir a regulamentação e entrar nessa área, os veículos podem ser multados em R$ 3,4 mil a cada hora. Os empresários alegam que não haverá tempo para o cadastro de veículos nos casos de ?exceção? e a Prefeitura deve amenizar a aplicação de multas nos primeiros dias para facilitar a adaptação.

AE, Agencia Estado

23 Julho 2009 | 08h48

?As empresas que têm contrato vão manter os serviços, porque de outra forma vão ferir o direito do consumidor. Nossos filiados vão pedir o cadastro como exceção, só que não haverá tempo para que sejam concedidos. Então, como vamos saber se os pedidos foram aceitos ou não??, questiona o presidente, Silvio Tamelini. A entidade também alega que a Prefeitura ainda não disponibilizou em seu site o link para a realização dos cadastros.

A nova regulamentação - cuja portaria foi apresentada ontem pela Prefeitura - prevê que estarão liberados da restrição ônibus fretados que parem unicamente dentro de pátios e garagens de empresas para o embarque e desembarque. Para isso, eles deverão fazer um pedido de cadastro como ?exceção? e precisarão instalar aparelhos de GPS para que o poder público possa fiscalizar os trajetos e paradas.

Uma das reivindicações da Transfretur é a abertura de novas negociações com a Secretaria dos Transportes. ?Há ainda muitos pontos técnicos que precisam ser esclarecidos. Nós precisamos de um encontro para discutir com os técnicos da Prefeitura e não somente com o secretário (Alexandre de Moraes), que entende pouco de trânsito?, diz Santos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
fretados sindicato restrições SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.