Sindicato não apoia o protesto, diz mãe de aluno no Rio

A produtora de eventos Rita Silveira, de 48 anos, criticou o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe) pelo fato de seus representantes não estarem nas delegacias prestando apoio aos detidos no protesto de ontem, 15, à noite, convocado pela categoria, no centro do Rio.

MARCELO GOMES, Agência Estado

16 Outubro 2013 | 11h26

O filho dela, Denis Menezes Silveira, de 20 anos, que estuda no Ciep Sergio Carvalho, em Campo Grande, na zona oeste, foi à manifestação e acabou preso. Estava junto com a mãe quando foi detido e levado para a 25ª DP (Engenho Novo). A acusação é de formação de quadrilha.

"Na escola deles, os professores convocaram alunos e pais simpatizantes do movimento grevista a participar do ato do Dia do Professor no centro", contou Rita. "Eu estava do lado dele, nas proximidades da Câmara dos Vereadores, quando os PMs chegaram e fizeram um cordão de isolamento em volta da escadaria. Nós estávamos do lado de fora de cordão, mas mesmo assim um policial escolheu meu filho e outros quatro para entrarem num ônibus. Não disseram qual era a acusação, mas também não nos agrediram. Fomos às ruas pelos direitos dos professores. Agora, meu filho está preso. Cadê o Sepe? Eu me arrependo de ter lutado por essa causa".

Mais conteúdo sobre:
protestos professores Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.