Sindimotos de SP ameaça ir a Brasília contra novas regras

O Sindicato dos Motoboys de São Paulo (Sindimotos) ameaça ir a Brasília para buscar apoio contra a revisão do código, que proíbe as motos de circularem entre os carros. A entidade, que repudia a medida, desclassificou o projeto e o considerou "sem nexo".

Isis Brum, O Estadao de S.Paulo

26 de novembro de 2009 | 00h00

"Precisamos de corredores exclusivos como o da (Avenida) Sumaré e não de mais proibições", afirma o presidente do Sindimotos, Gilberto Almeida dos Santos. Para Santos, a proposta, se aprovada, vai prejudicar trabalhadores que usam a moto para chegar ao trabalho, bem como a categoria de motoboys, que existe em função da agilidade de locomoção.

Mas Dirceu Rodrigues Alves Júnior, diretor do Departamento de Medicina Ocupacional da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), defende a medida. "A mudança atrapalha a vida do motoboy com relação ao tempo, mas temos um ganho, que é o de preservar a vida desses jovens."

Vice-presidente da Comissão de Trânsito da Ordem dos Advogados em São Paulo (OAB-SP), Marcos Pantaleão avalia que a proibição nasce como "letra morta". "Não há como fiscalizar. A não ser que se faça uso de equipamentos eletrônicos em toda a cidade", observa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.