Síria acusa rebeldes de usarem armas químicas

A agência de notícias estatal síria acusou nesta terça-feira os rebeldes que lutam contra o presidente Bashar al-Assad de usarem armas químicas em um ataque na província de Aleppo, no norte do país, no qual morreram 15 pessoas.

Reuters

19 de março de 2013 | 08h03

"Terroristas lançaram um foguete contendo substâncias químicas na região rural de Khan al-Assad, em Aleppo, e informações iniciais indicam que cerca de 15 pessoas foram mortas, em sua maioria civis", informou a agência Sana.

Não foi imediatamente possível verificar a informação e a Sana não deu mais detalhes. Não houve resposta imediata das forças rebeldes sírias.

Acredita-se amplamente que o presidente Bashar al-Assad, que há dois anos combate uma revolta contra seu governo, tenha arsenal químico. Autoridades sírias não confirmaram e nem negaram possuírem armas químicas, mas disseram que se existissem, seriam usadas apenas para se defender contra uma agressão estrangeira, não contra sírios.

Nações ocidentais alertaram o governo sírio contra qualquer uso de armas químicas e também expressaram preocupação de que as armas caiam nas mãos de grupos militantes.

(Reportagem de Dominic Evans)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAATAQUEARMASQUIMICASREBELDES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.