Síria diz que recorrerá ao direito de usar força por segurança

A Síria disse que a revolta de um ano contra o presidente Bashar al-Assad já acabou, mas ressaltou que recorrerá ao direito de usar a força para "manter a segurança" antes de deixar as cidades como parte do plano de paz da ONU.

REUTERS

31 Março 2012 | 09h55

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Jihad Makdissi, disse à televisão síria que o enviado especial da ONU, Kofi Annan, reconheceu o direto do governo de responder à violência armada. Makdissi afirmou que esse é um problema para a Síria resolver.

Ele disse que o país vai cooperar com a ONU para "não dar motivos" a qualquer pressão internacional no futuro.

(Por Erika Solomon)

Mais conteúdo sobre:
SIRIA FORCA MUNDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.