Síria testa mísseis contra ataque na costa; mais 30 mortes

A Marinha da Síria lançou oito mísseis de navios e helicópteros durante o fim de semana, disse a mídia estatal local neste domingo, em um exercício com o intuito de mostrar a capacidade de "defender a costa da Síria contra qualquer agressão possível."

OLIVER HOLMES, Reuters

08 de julho de 2012 | 12h34

"As Forças Navais realizaram um exercício operacional no sábado, usando mísseis lançados do mar e da costa, helicópteros e navios lançadores de mísseis, simulando uma situação de reação a um ataque repentino pelo mar," disse a agência de notícias síria Sana, acrescentando que as manobras continuarão por diversos dias.

Figuras da oposição têm pedido que seja instaurada uma zona de exclusão aérea e que a Otan faça ataques contra forças sírias, iguais aos realizados contra a Líbia no ano passado, que permitiram que as forças terrestres dos rebeldes acabassem com o domínio de Muammar Gaddafi.

Mas enquanto o presidente Bashar al Assad tem enfrentado sanções e a condenação internacional por causa da sua repressão contra a dissidência, que já fez milhares de mortos, as principais potências ocidentais e árabes têm se esquivado da ideia de uma ação militar direta.

Mais de 30 pessoas foram mortas no domingo, durante um bombardeio do governo e confrontos entre forças sírias e os rebeldes do Exército Livre da Síria, que estão lutando para derrubar Assad, disse o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Os ativistas relataram fortes bombardeios em áreas residenciais na cidade de Deir al-Zor e na província de Deraa, berço da revolta, perto da fronteira da Jordânia.

Rami Abdelrahman, diretor do Observatório, disse que os moradores de al-Sharifa da província Deir al-Zor, disseram que os rebeldes haviam assumido o controle de um tanque roubado durante um combate pela primeira vez e o estavam usando para atacar posições do Exército.

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAMISSEISTESTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.