Sistema de criação sustentável

Criação em pastagem deve considerar planta, clima, solo e animal como fatores que interagem ente si

Beth Melo, O Estado de S.Paulo

18 Julho 2007 | 05h14

O Brasil tem a força de sua pecuária de corte - cria, recria e engorda - em áreas de pastagens. Para a exploração nessas condições deve ser considerada a planta, o clima, o solo e o animal como fatores que interagem entre si, tornando o sistema de pastagem sustentável, segundo o professor Valdo Rodrigues Herling, da área de forragicultura e pastagem da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP, em Pirassununga (SP). ''''Quando se respeita esses fatores, o produtor consegue produzir sem agredir o ambiente e obter resultados dentro do potencial de cada sistema de criação'''', afirma. Para potencializar o sistema produtivo, Herling recomenda atenção às necessidades de cada elo do ecossistema. ''''Assim, melhorando o solo e adequando as plantas forrageiras às condições de solo (profundidade, textura, fertilidade, umidade, etc.) e ao clima ideal para cada espécie e ou cultivar de planta forrageira, é possível obter resultados satisfatórios no sistema produtivo'''', assegura. DEMANDA DE ALIMENTO No entanto, o professor lembra que o produtor pode lançar mão de métodos específicos para exploração das pastagens em que a demanda e oferta de forragem devem ser satisfatórios. Herling afirma que não se deve, necessariamente, optar por um método ou outro, mas dimensionar a quantidade de animais do rebanho e a quantidade de forragem necessária para atender à demanda alimentar desses animais. ''''Uma vez cumpridas essas etapas, o pecuarista pode alcançar os seus objetivos no que diz respeito à produção de carne em área de pastagem, sem resíduos de defensivos agrícolas, sem desequilibrar a participação dos componentes do ecossistema'''', analisa e lembra que quando for necessário fazer o controle de invasoras e insetos predadores existem disponíveis técnicas de controle biológico, sem impacto ao ambiente. MANEJO CORRETO A idéia de produção sustentável passa pelo manejo correto, dentro dos requisitos apregoados da criação do boi verde, o que pressupõe a colocação da quantidade de animais que a pastagem suporta - de forma a não faltar alimento e a não prejudicar a capacidade de rebrota do capim. ''''O sistema não degrada, animal fica nutrido e conseqüentemente ganha peso, que é o objetivo final da criação'''', afirma o pesquisador da área de pastagem da Embrapa Gado de Corte, Alexandre Agiova. Por outro lado, para não faltar forragem na seca, ele sugere a vedação de uma área para essa finalidade, que é a forma mais barata. ''''É necessário que o animal passe essa fase sem perder peso, que será recuperado nas águas. É o chamado ganho compensatório'''', diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.