Sistema tem 40 mil adesões por dia

Com dez dias úteis de funcionamento, 1,3 milhão de correntistas cadastrados realizaram 400 mil pagamentos

, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

O DDA - Débito Direto Autorizado - completa hoje seu décimo dia útil de funcionamento com um crescimento diário médio de 40 mil adesões, segundo cálculos da Câmara Interbancária de Pagamentos (CIP).

O sistema de boleto eletrônico já foi utilizado por mais de 1,3 milhão de correntistas, entre pessoas físicas e jurídicas. A rede informatizada de cobranças e pagamentos integra 25 bancos brasileiros e já permitiu a realização de cerca de 400 mil transações financeiras sem nenhuma utilização de papéis com códigos de barras ou longas senhas numéricas de identificação. Tudo foi feito pela rede de computadores, no ambiente de navegação dos sites dos bancos públicos e privados, mediante a circulação de boletos que reproduzem nas telas as mesmas informações que antes costumavam chegar aos destinatários pela soleira da porta de entrada em milhões de endereços no País.

"O sistema está rodando bem", resume o engenheiro eletrônico Joaquim Kavakama, CEO da CIP, empresa fundada pelos maiores bancos do País para atuar na compensação de títulos privados. "Não registramos nenhum tipo de problema operacional".

As regras de segurança do DDA obedecem ao mesmo sistema de certificação e criptografia da TED (Transferência Eletrônica Disponível), que nunca foi burlado por fraudadores. Para tomar parte na câmara de compensações eletrônicas, cada banco tem de fazer depósitos em dinheiro todos os dias úteis, pela manhã, com provisão aproximada para os saques calculados para o resto do dia. Nenhum deles, assim, pode operar a descoberto, o que garante a capacidade monetária do sistema. Sem sair do lugar, o dinheiro navega virtualmente entre as pontas de creditado e credor e muda saldos em contas correntes.

Apesar da velocidade de adesões por cadastramento ser considerada alta, falta muito para se preencher no campo eletrônico o universo de 2 bilhões de boletos bancários de papel que foram movimentados pelos brasileiros no ano passado, em transações que somaram R$ 5 trilhões - pouco mais de duas vezes o valor do Produto Interno Bruto. Informações sobre o modo de funcionamento do sistema, suas regras e características são a melhor ferramenta para se avaliar a conveniência de entrar ou não nessa nova onda. Qualquer que seja a decisão, ela veio para ficar e não tem data para parar de crescer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.