Situação de Betancourt domina bastidores em posse de Cristina

Lula e Uribe se reúnem para discutir situação de reféns em poder de guerrilheiros.

Márcia Carmo, BBC

10 de dezembro de 2007 | 09h40

A situação da ex-candidata à presidência da Colômbia Ingrid Betancourt - que está em poder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) desde 2002 - será um dos temas dominantes nos bastidores da posse da presidente eleita da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, que assume o cargo nesta segunda-feira.Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e o colombiano Álvaro Uribe, ambos na Argentina para assistir à posse de Cristina, se reúnem para um café da manhã em que devem conversar sobre a situação dos reféns seqüestrados pela guerrilha. Na semana passada, Lula disse que está "disposto a fazer o que for possível" para ajudar nas negociações com as Farc.No domingo, a mãe de Ingrid Betancourt, Yolanda Pulecio, se reuniu com o ministro argentino das Relações Exteriores, Jorge Taiana, a quem pediu a ajuda para a libertação da filha.Ao sair do encontro, Pulecio fez um apelo emocionado."Ingrid, minha filha, minha vida é tua vida. Faça toda a força para estar viva", disse, na esperança de que Ingrid a ouvisse pelo rádio. Yolanda Pulecio ainda pediu ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, que não abandone seu papel de mediador nas negociações com as Farc. "Elas (negociações) são vitais para nós todos". O marido de Ingrid Betancourt, Juan Carlos Lecompte, também está em Buenos Aires, onde se reuniu com autoridades argentinas.Em entrevista publicada pelo jornal Clarín no fim de semana, Lecompte disse que qualquer ajuda do presidente Lula será "bem-vinda", mas que "a melhor opção seria Hugo Chávez, porque as Farc o admiram".Há duas semanas, Uribe deu por encerrada a mediação do líder da Venezuela na busca por um acordo humanitário com a guerrilha. Em resposta, Chávez anunciou o "rompimento" das relações com a Colômbia.Uribe justificou a decisão, alegando que Chávez teria falado por telefone com o comandante do Exército colombiano, Mario Montoya, desrespeitando assim um acordo entre os dois, segundo o qual o líder venezuelano não poderia se comunicar diretamente com o alto comando militar colombiano.Durante um jantar realizado na noite de domingo, Cristina e o marido Néstor Kirchner fizeram um apelo às Farc para que libertem Ingrid Betancourt. "Pela liberdade de Ingrid e de outras pessoas que sofrem o cárcere privado", disse Néstor Kirchner. "Quero pedir um brinde por Ingrid Betancourt e pelos direitos humanos", afirmou Cristina.Entre os presentes no jantar de gala, no Palácio San Martín, sede do Ministério das Relações Exteriores, estavam Lula, Hugo Chávez e a presidente do Chile, Michelle Bachelet, além de representantes de 160 países que estão na Argentina para a cerimônia de posse de Cristina.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.