''Só não adere quem ainda não conhece as facilidades''

Administrador de empresas elogia vantagens do DDA

, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

Com até 23 boletos por mês, vencendo em diferentes datas e cobrados por bancos diversos, o administrador de empresas Rúbio Soares, de 45 anos, ficou entusiasmado com o DDA. "É um sistema que traz benefícios como conforto e segurança, passando pela mobilidade, economia e até preservação ambiental".

Soares, que mora no Rio, entende que a implantação do serviço de boleto eletrônico foi um grande passo tanto para quem cobra como de quem tem contas a pagar. "Muitas vezes já tive problemas porque um boleto extraviou ou chegou atrasado", diz, recordando a sensação desagradável de encontrar cobranças vencidas na caixa de correspondência.

Além dos prejuízos decorrentes das multas e juros por atraso, o administrador reclama do desconforto de ter de ir pessoalmente ao banco cedentes, responsável pela cobrança". Boletos que chegam com antecedência são pagos via computador, no escritório ou em casa, do condomínio à faculdade da filha.

Soares acha que o DDA é um sistema mais seguro. "Já ouvi relatos de fraudes em boletos, casos em que o código de barra foi alterado e o dinheiro foi creditado diretamente na conta do fraudador". Com o DDA isso se torna impossível, o que facilita a vida de quem faz pagamentos via computador. Nesse caso, não é mais necessário digitar o código de barras.

No DDA o pagamento é mais rápido e assegura total mobilidade. "Para quem viaja muito como é o meu caso, não há mais risco de atraso de pagamento. É só ligar o notebook em qualquer lugar do mundo e, em segundos, as contas estarão pagas", comemora.

Soares já usava um sistema de pagamentos pela internet, que também considerava rápido e seguro. Mesmo assim ele achou que o DDA representa uma evolução. Segundo ele, o sistema evoluiu e agora como DDA vai assegurar economia tanto para a instituição como para os clientes. "É bom também porque não está sendo cobrado nada a mais pelo serviço".

Para ele, o ganho de eficiência dispensará maiores gastos com infraestrutura. Além disso, ele elogia a economia com papel e postagem de documentos via correio. "Muito papel deixará de ser impresso, reduzindo os custos com tinta e papel", comenta o administrador, satisfeito com as vantagens para o meio ambiente.

"Só não adere quem desconhece a simplicidade e eficiência do novo sistema", afirma Rubio. Quanto ao fato de o DDA não contemplar ainda impostos, taxas e serviços essenciais, o administrador é taxativo: "Acho que é só uma questão de tempo. Dentro de algum tempo nenhum tipo de cobrança vai ficar de fora", comenta ele. Os bancos informam que isso não depende deles. Os tributos e taxas públicas necessitam de uma padronização. Isso terá de ser feito pelos governos federal, estaduais e municipais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.