Sob acusação de estupro, participante do 'BBB' é eliminado

O modelo paulista Daniel Echaniz, de 31 anos, será ouvido hoje em uma Delegacia de Polícia do Rio

PEDRO DANTAS / RIO, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2012 | 03h02

A Rede Globo anunciou na noite de ontem que o modelo paulista Daniel Echaniz, de 31 anos, foi eliminado da 12.ª edição do Big Brother Brasil, por causa de "um grave comportamento inadequado". Segundo nota divulgada pela emissora, "após rigorosa avaliação da Rede Globo, iniciada no domingo de manhã, a notícia foi comunicada ao ex-brother".

Echaniz é suspeito de ter se aproveitado da embriaguez da estudante gaúcha Monique Amin, de 23 anos, para cometer estupro. Isso fez com que a Polícia Civil do Rio iniciasse uma investigação. Ambos foram filmados numa cama, sob um edredom, e o modelo movimentava o corpo de forma ritmada, enquanto a estudante parecia dormir.

No início do programa de ontem, o apresentador Pedro Bial anunciou que a emissora havia iniciado uma investigação sobre o caso e que a decisão seria anunciada ao longo da atração. Em seguida foi apresentado um vídeo sobre o paredão, durante o qual não houve menção ao episódio. Ao final desse primeiro bloco da atração, Bial anunciou a eliminação do modelo. Depois, o programa continuou, sem novas menções ao acontecido.

Policiais estiveram no Projac ontem para tentar examinar Monique. Segundo a polícia, a estudante prestará depoimento dentro da casa do programa, às 10 horas de hoje. Echaniz deve ser ouvido também hoje na 32.ª Delegacia de Polícia, na Taquara.

A ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Iriny Lopes, enviou ontem ofício ao Ministério Público Estadual do Rio solicitando a tomada das "providências cabíveis" no caso.

A cena que gerou a suspeita de estupro foi transmitida ao vivo para assinantes do programa pela TV e internet, na madrugada de sábado para domingo. O vídeo de 3min59s foi reproduzido por vários sites e blogs.

A mãe da jovem afirmou que estava "perplexa", pois tinha certeza de que a filha não estava consciente. O empresário de Monique, Cristiano Rosa, soltou um comunicado criticando o agente de Daniel, Sergio Mattos, que questionou ironicamente no microblog Twitter se Monique estava desacordada: "Ela geme dormindo?". Em nota, Rosa escreveu que o comentário era inadequado e "fruto de uma cultura machista".

"É muita especulação. Eles estavam se pegando. Como modelo, Daniel nunca nos deu trabalho. Ele tem uma carreira internacional, já trabalhou com a Vogue francesa e desfilou em Milão", afirmou ontem Mattos ao Estado.

Mattos e o diretor do programa, José Bonifácio Brasil de Oliveira, o Boninho, afirmaram que o rapaz é vítima de racismo. "O Brasil é racista. Quantas pessoas já ficaram debaixo do edredom e nunca aconteceu nada?", disse Mattos. Boni diz não ter considerado o caso um estupro, já que não era possível confirmar que os dois fizeram sexo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.