Sobe número de alunos da Unicamp vindos escola pública

Dos 971 alunos de escolas públicas aprovados no vestibular em 2006, o número subiu para 991 no vestibular deste ano. Unicamp tem programa de ação afirmativa

Agencia Estado

26 de junho de 2007 | 17h22

Dados divulgados nesta segunda-feira, 25, pela Comissão Permanente para o Vestibular (Comvest) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) apontam crescimento de 2% no número de estudantes matriculados na Unicamp que cursavam escolas públicas antes de entrar na universidade. Dos 971 alunos de escolas públicas que passaram no vestibular em 2006, o número subiu para 991 no vestibular deste ano. Segundo informações do Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social (Paais) da Unicamp, isso representa 32,4% do total de 3.061 estudantes que ingressaram na universidade. Segundo informações do Paais, alunos matriculados em escolas públicas representaram 29,1% dos 14.630 inscritos no vestibular deste ano. A razão entre a demanda e os que se matricularam na Unicamp é a melhor dos últimos 14 anos e a segunda maior de toda a história do vestibular da universidade, segundo dados do programa. A porcentagem média de estudantes de escolas públicas entre os matriculados aumentou em 47 dos 60 cursos do vestibular nos três anos de vigência do Paais (de 2005 a 2007) em comparação com os três anos anteriores ao programa. A participação dos pretos, pardos e indígenas passou de 14,7% do total de matriculados, em 2006, para 15,3% este ano. Do total de 3.061 matriculados, 469 se declararam pretos, pardos ou indígenas este ano. O Paais, programa aprovado pelo Conselho Universitário da Unicamp em 2004, prevê que estudantes que tenham cursado todo o ensino médio na rede pública brasileira recebam 30 pontos a mais na nota final do vestibular, após a segunda fase. Candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas, que tenham cursado o ensino médio em escolas públicas podem ter, além dos 30 pontos adicionais, mais dez pontos somados à nota final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.