Sobe para seis o total de mortos pelas chuvas no RS

Ao menos mais uma pessoa segue desaparecida desde os temporais que atingiram o sul do Estado

Fabiana Marchezi e Elvis Pereira, do estadao.com.br, e Sandra Hahn, da Agência Estado,

29 Janeiro 2009 | 15h43

Aumentou para seis o número de mortes decorrentes das chuvas que atingiram o Rio Grande do sul entre a noite de quarta, 28, e a madrugada desta quinta-feira, 29. As duas últimas vítimas confirmadas são dois idosos, encontrados sem vida na casa deles em Capão Leão, no Sul do Estado. Trata-se da terceira morte registrada na cidade. Segundo a Defesa Civil, os municípios de Pelotas, Cristal, Turuçu e Capão do Leão foram os mais atingidos.   Veja também: Chuvas causam morte de criança em Minas Após enchentes, aulas começam mais tarde em escolas de SC  Defesa Civil alerta para chuva forte em SC até sexta   Todas as notícias sobre vítimas das chuvas       Em Pelotas, duas pessoas morreram após o Kadett em que estavam cair no Rio Arroio Fragata ao tentar passar sobre uma ponte da BR-116, na altura do Km 528. Na cidade de Turuçu, a vítima foi Vilmar da Silva, de 54 anos, encontrada morto dentro de sua residência. A outra vítimas de Capão Leão foi uma criança de 1 ano e 5 meses, que caiu de um bote quando era resgatada.   Ainda de acordo com o órgão, o maquinista de um trem que descarrilou e tombou sobre a BR-392, entre Pelotas e Canguçu, continua desaparecido. Também houve alagamentos nos municípios de Rio Grande e Guaíba. Em todo o Estado, cerca de 730 pessoas ficaram desabrigadas - pessoas que perderam tudo e precisam dos abrigos públicos - e 1,2 mil estão desalojadas - os que podem contar com ajuda de vizinhos e familiares por causa das chuvas.   Entre a manhã de quarta e esta manhã, o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou 134,4 milímetros de chuva em Pelotas, enquanto a média de todo o mês de janeiro é de 107 milímetros. Em Canguçu, foram 73,2 milímetros e em Camaquã, 69,4 milímetros. Nesta quinta, continuou chovendo no extremo sul do Estado, relatou o meteorologia Flávio Varone. Chuí tinha 142 milímetros acumulados entre a meia-noite de quarta e às 17 horas desta quinta. A formação de um ciclone extratropical entre a noite de hoje e esta sexta-feira no sul do Estado deve gerar pancadas de chuva.   Estradas   A chuva também prejudicou as estradas. Nesta tarde, três rodovias federais que cortam o Estado continuavam interditadas. De acordo com a Ecosul, concessionária responsável pelas estradas, as BRs 392, 116 e 293 foram bastante danificadas e não há previsão para os reparos. Técnicos e engenheiros da concessionária estão percorrendo os trechos para avaliar a situação das rodovias e de pontes, que tiveram sua estrutura danificada por conta da correnteza.   A BR-392 tem quatro bloqueios. No trecho que liga Pelotas ao Rio Grande a estrada está interditada nos quilômetros 62, 65 e 66. Já no trecho que liga Pelotas a Santana da Boa Vista, a rodovia continua bloqueada entre os quilômetros 92 e 96. Na BR-116, que liga Pelotas a Porto Alegre, o tráfego permanece bloqueado nos quilômetros 471, 496, 511 e 528. Já na BR-293, que liga Pelotas a Bagé, o trânsito está bloqueado na altura do quilômetro 16.   Conforme o Departamento Autônomo de Estradas e Rodagem, a RS-265 está totalmente interditada numa extensão de aproximadamente 40 quilômetros entre Piratini e Canguçu. Na mesma rodovia, perto de Coxilha Negra, a estrada pode ser trafegada somente por veículos pesados. A RS-737 está interditada no acesso a Arroio do Padre, no quilômetro 6, devido a danos em uma ponte.   Serviços   As fortes chuvas também afetaram vários serviços na região. Os consumidores tiveram cortes de luz e na telefonia e suspensão de algumas linhas interurbanas de ônibus. Uma subestação da Companhia de Geração de Energia Elétrica (CEEE) ficou desativada na quarta entre 17h14 e 21 horas em Canguçu, perto de Pelotas.   As situações mais complicadas nesta quinta eram de Arroio do Padre, Capão do Leão e Morro Redondo, que têm juntas 16 mil consumidores, pela dificuldade de acesso para realizar os reparos, informou a CEEE. A estatal não detalhou se todos os clientes tiveram corte nestes municípios.   As operadoras de telefonia fixa e celular também trabalham no reparo aos danos causados pelas chuvas. A TIM realizava esta tarde manutenção em uma antena instalada em Capão do Leão, com previsão de normalizar o equipamento até o fim do dia. Em Pelotas, o serviço não foi prejudicado, pois o município é coberto por outras antenas, explicou a empresa. A Vivo comunicou que parte dos clientes das localidades de Dom Feliciano, Arroio do Padre, Morro Redondo, Capão do Leão e Amaral Ferrador podem ter tido dificuldades para completar ligações ontem e hoje.   A Brasil Telecom informou que as chuvas danificaram o serviço de telefonia fixa em Capão do Leão, Cascata, Grupelli, Arroio do Padre, Cerrito Alegre, Monte Bonito, Monte Cordeiro Farias e Santa Silvana e em um bairro de Pelotas (Gotuso). Em Turuçu, a telefonia móvel foi interrompida e técnicos trabalhavam desde a madrugada para normalizar o atendimento. A Claro divulgou que sua rede apresentou instabilidade entre 5 e 8 horas desta manhã e o sinal foi restabelecido, mas poderiam ocorrer problemas pontuais em algumas áreas.   Atualizado às 19h28 para acréscimo de informações.

Mais conteúdo sobre:
chuvas no RSvítimas das chuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.