Sobreviventes da Kiss relatam desespero na escuridão

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul fez na quarta-feira à tarde uma reconstituição do início do incêndio dentro da Boate Kiss. Cinco sobreviventes contaram aos investigadores como o fogo começou no teto acima do centro do palco, logo após o vocalista da banda Gurizada Fandangueira acender um sinalizador conhecido como "sputnik".

DIEGO ZANCHETTA, Agência Estado

31 de janeiro de 2013 | 09h46

Em poucos minutos, uma fumaça negra tomou conta de toda a boate e ninguém conseguia enxergar mais nada, segundo os relatos das testemunhas. O DJ que tocou antes da banda estava entre os que participaram da reconstituição. "Muita gente viu a luz verde do banheiro e correu pra ele, achando que fosse a saída. Por isso tanta gente morreu nesse canto da boate", explicou o delegado regional Marcelo Arigony, responsável pelo caso.

Centenas de pessoas continuaram indo ontem durante a tarde para a frente da boate Kiss para colocar flores e outras homenagens às vítimas. "Vamos lacrar a boate para que possamos preservar o local até o fim do inquérito", disse o delegado. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.