Soja atinge máxima de 6 meses na CBOT com dólar fraco e demanda

Os futuros da soja negociados na bolsa de Chicago atingiram uma máxima de seis meses nesta sexta-feira, subindo pela quarta sessão seguida, com suporte do dólar mais fraco e da forte demanda pelo produto dos EUA, após a quebra de safra na América do Sul pela estiagem.

REUTERS

16 Março 2012 | 17h52

Realização de lucro de final de semana limitou os ganhos, segundo operadores, mas a soja ainda teve a quinta semana de alta consecutiva, a mais longa série desde o final de 2010.

Os futuros do milho ficaram firmes, com os contratos da velha safra suportados pela oferta apertada, o dólar fraco e expectativa de demanda da China, com os preços do cereal em um valor recorde no mercado chinês.

O trigo fechou em alta com suporte do milho e alguma preocupação de tempo mais frio no Texas, que poderia danificar o desenvolvimento da safra.

A soja encerrou com alta de 6,25 centavos, a 13,7525 dólares por bushel.

O milho subiu 4,25 centavos, a 6,7325 dólares.

O trigo avançou 7,50 centavos, a 6,7225 dólares.

(Por Karl Plume)

Mais conteúdo sobre:
COMMODSSOJAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.