Soja não diminui sintomas da menopausa, afirma estudo

Cápsulas de isoflavona de soja provavelmente não reduzem as perdas ósseas e os sintomas da menopausa, segundo um estudo publicado ontem na revista Archives of Internal Medicine.

Alexandre Gonçalves, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2011 | 00h00

Os primeiros anos da menopausa costumam trazer consigo perda óssea acelerada, fogachos - sensação de quentura na face -, distúrbios de sono e de libido, além de outros sintomas.

"Terapias de reposição hormonal previnem muitas dessas mudanças. Contudo, pesquisas recentes sugerem que os riscos ultrapassam os benefícios. Por isso, a maioria das mulheres evita a terapia com estrogênio", explicam os autores, mencionando indícios de aumento no número de casos de câncer de endométrio e mama em mulheres, como razões para evitar a terapia de reposição hormonal. "Por isso, produtos derivados da soja são propostos como substitutos."

O trabalho comparou 126 mulheres que receberam placebo e 122 que consumiram 200 miligramas de cápsulas de isoflavona todos os dias. A concentração das isoflavonas variava de 87% a 97% nas cápsulas e as mulheres tinham de 45 a 60 anos.

Nos dois grupos estudados, não houve diferenças significativas na densidade óssea da espinha dorsal, do fêmur e da bacia, no início e no fim do estudo. A ocorrência de fogachos também foi equivalente.

Dúvida. O ginecologista Kyung Koo Han, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), já realizou pesquisas semelhantes sobre isoflavonas de soja há cerca de uma década. Seus resultados, no entanto, foram diferentes.

Ele avaliou cerca de 160 mulheres. Metade recebeu placebo e a outra metade, as cápsulas de isoflavonas. O número de mulheres que reclamavam de fogachos - sintoma que mais incomoda na menopausa - diminuiu 60%, valor próximo ao observado na terapia de reposição hormonal (80%). No grupo placebo, não passou de 20%. "Precisamos esperar alguns anos para reunir os estudos e obter um cenário consolidado", argumenta Han.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.