Soldados em Mianmar são capturados por monges budistas

Oficiais foram a mosteiro e acabaram trancados em resposta a embates com manifestantes.

BBC Brasil, BBC

06 de setembro de 2007 | 11h39

Cerca de 20 membros das forças de segurança de Mianmar, no sudeste da Ásia, foram detidos e mantidos presos por monges budistas. Os soldados tinham se dirigido ao monastério na cidade de Pakoku para se desculpar pelos ferimentos causados em monges que, na quarta-feira, participaram de um protesto contra o aumento dos preço dos combustíveis. Mas, segundo relatos, quando os oficiais foram ao mosteiro na quinta-feira, os monges os trancaram do lado de dentro e colocaram fogo em seus carros.Centenas de pessoas se reuniram do lado de fora dos portões para aplaudir os monges, depois que estes trancaram os policiais. Os soldados detidos acabaram sendo libertados pelos monges.Moradores dizem que as forças de segurança fora do mosteiro estão com medo de ir para perto da multidão.Uma série de protestos vêm sendo realizados desde que a junta militar que governa o país dobrou os preços da gasolina, no mês passado.O governo dobrou o preço da gasolina e do diesel em Mianmar no dia 15 de agosto.O preço do gás natural comprimido - usado em ônibus - subiu cinco vezes.O aumento não foi anunciado com antecedência e as razões que o motivaram não são conhecidas, mas a medida afetou fortemente a população.Desde que o preço subiu, tem havido uma série de protestos na cidade principal, Yangun, e em outras cidades do país.As manifestações continuam apesar das prisões de muitos dos mais importantes ativistas de Mianmar.Dezenas de pessoas estariam detidas.Na quarta-feira, o presidente americano George W. Bush condenou a operação das autoridades de Mianmar."É imperdoável que tenhamos este tipo de comportamento tirânico na Ásia", disse Bush.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.