Soldados protestam no Zimbábue por falta de pagamento

Tumulto é considerado 'sem precedentes' porque Exército sempre apoiou o governo.

Da BBC Brasil, BBC

01 Dezembro 2008 | 17h51

Cerca de 40 soldados do Exército iniciaram um tumulto que teve que ser dispersado pela tropa de choque da polícia em Harare, capital do Zimbábue. Os soldados começaram a saquear lojas depois de esperar um dia inteiro em uma fila de banco. O protesto começou após o banco informar que não tinha dinheiro o bastante para pagar os salários. A tropa de choque precisou utilizar gás lacrimogêneo para dispersar o tumulto criado pelos soldados. Alguns civis também participaram do protesto, a pedido dos militares. Devido à falta de cédulas no país, os zimbabuanos têm permissão para retirar apenas uma pequena quantidade de dinheiro por dia - que geralmente não é o bastante nem para comprar pão. A crise econômica no país piorou, e a última taxa anual de inflação já estava em torno dos 231 milhões por cento em outubro. 'Sem precedentes' O Exército sempre apoiou o presidente Robert Mugabe e foi acusado de participar da campanha de violência contra a oposição durante as eleições deste ano. Mas, com a crise econômica e o colapso dos serviços públicos do país, a lealdade militar a Mugabe parece estar diminuindo. O jornalista zimbabuano Brian Hungwe disse à BBC que o incidente desta segunda-feira é "sem precedentes". "Nunca vimos integrantes das forças de defesa marchando nas cidades, quebrando lojas e saqueando", afirmou. "As pessoas estão muito chocadas." Hungwe contou que os soldados chamaram os civis para participar do tumulto, e algumas pessoas começaram a gritar: "Basta, vamos nos juntar aos soldados". De acordo com o jornalista zimbabuano, alguns integrantes da tropa de choque ainda estão nas ruas de Harare. Fome e cólera Informações não confirmadas dão conta de que o Exército não tem mais capacidade de alimentar seus integrantes e os soldados estariam desertando. O jornal estatal Herald relatou nesta segunda-feira que o fornecimento de água na capital foi cortado devido à escassez de compostos químicos para a purificação. As autoridades do país estão tentando conter um surto de cólera. Pelo menos 425 pessoas morreram nos últimos meses devido à doença, que é transmitida por meio da água contaminada. O surto da doença piorou depois do colapso do sistema de saúde e de saneamento. Os hospitais no Zimbábue estão com poucos funcionários e medicamentos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.