Sombra e folha fresca, bois e vacas agradecem

Projeto na Colômbia converteu 45 mil hectares de pasto degradado, melhorando a produção animal

O Estado de S.Paulo

29 Fevereiro 2012 | 03h11

Uma taxa alta de desmatamento, expansão desordenada da pecuária extensiva, necessidade de recuperar a vegetação. O cenário tão familiar à nossa Amazônia também é comum além das fronteiras nacionais. A Colômbia, porém, conseguiu avançar - com o auxílio de incentivos financeiros, créditos especializados e pagamentos por serviços ambientais - em uma área que ainda engatinha no Brasil: a criação de gado em meio a árvores. O tão falado sistema silvopastoril.

Em vez de somente se debruçar para comer o pasto, debaixo do sol quente, bois e vacas comem folhas fartas confortavelmente à sombra de árvores. A vantagem desse sistema? "Mais produção, menos dano ao solo, mais conforto animal, que se converte em mais carne e leite, mais tolerância a chuvas e secas extremas. As fazendas produzem mais e geram mais emprego", enumera Enrique Murgueitio Restrepo, diretor do Centro de Pesquisa em Sistemas Sustentáveis de Produção Agropecuária.

O centro, junto com a Federação Colombiana de Pecuaristas e a ONG TNC, ajudou a organizar um esforço que levou 2 mil fazendeiros a converterem cerca de 45 mil hectares de pastagens degradada, aumentando a produtividade para 5 animais por hectare - contra a média de 1. A meta agora é tentar alcançar 10 milhões de hectares. Para a primeira etapa - mais 50 mil hectares até 2015-, o grupo conta com financiamento de US$ 7 milhões do Banco Mundial.

Restrepo explica que a ideia não é simplesmente colocar o gado em meio à floresta nativa, mas agir na restauração de pastos, fazendo uma combinação da dieta. "O pasto é fundamental para a produção pecuária rentável. O gado consome bem folhas e frutos, mas não exclusivamente", explica./ G.G.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.