Sorocaba-SP alega custo alto e deixa a Virada Cultural

Depois de participar de seis edições, Sorocaba está fora da 7ª Virada Cultural Paulista, projeto do governo estadual que vai ocorrer nos dias 25 e 26 de maio nas principais cidades do interior do Estado. Alegando que os eventos programados não justificam o alto custo para montar a infraestrutura, a prefeitura comunicou à Secretaria de Estado da Cultura sua desistência. De acordo com a programação, a cidade receberia sete shows musicais, entre eles o do Clube do Balanço, banda se samba-rock, e também artistas internacionais - um guitarrista flamenco, um rapper catalão e um artista africano.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

24 de abril de 2013 | 16h04

O secretário municipal de Cultura e Lazer, José Simões de Almeida Júnior, disse que a qualidade dos shows propostos não justificaria um investimento de quase R$ 100 mil para instalar um palco externo, uma das exigências dos organizadores. A prefeitura tentou levar os shows para espaços fechados, mas a organização não aceitou. Segundo ele, não foram programados artistas renomados nas apresentações da cidade, o que agravaria o volume decrescente de público já constatado nos últimos anos. O secretário alegou ainda que os recursos da pasta estão comprometidos com outras ações culturais.

De acordo com a secretaria estadual, a principal alegação formal da prefeitura foi de que a legislação municipal impede a realização de eventos em espaços abertos após zero hora - a virada prevê atividades ininterruptas por 24 horas. As atrações inicialmente previstas para Sorocaba serão redistribuídas para as 26 cidades participantes. A Secretaria informou que o interesse do público na Virada se mantém ao longo dos anos: em 2012, houve 1,5 milhão de participantes. Apenas em Sorocaba, houve declínio de público no ano passado em virtude da legislação local a respeito de shows em espaços abertos, o que fez com que o palco fosse montado numa região de difícil acesso, distante do centro.

A Secretaria informou ainda que a realização de shows em espaços abertos é um princípio da Virada, pois estimula o público a ir para as ruas e ter contato com uma programação artística variada e de qualidade. Este ano, a Secretaria programou a participação de artistas estrangeiros em todos os municípios. A Virada Cultural é realizada em parceria entre o governo estadual e os municípios. O Estado monta a programação e arca com a contratação dos artistas, e as cidades bancam o custo da montagem de palcos, além de garantir a segurança e a limpeza nos locais dos eventos. Os municípios podem inserir artistas da cidade e criar programações paralelas para dar visibilidade à produção local.

Tudo o que sabemos sobre:
virada culturalSorocabacusto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.