''Sou um ex-fumante feliz''

Fumar é como andar de bicicleta. Seja lá há quanto tempo você parou, ninguém esquece como é que se faz. Larguei o vício há 2.128 dias e ainda hoje sinto que, se ceder à tentação, o prazer será o mesmo de alguém que volta a pedalar após cinco anos. O problema é que, depois que começa, o cigarro é igual bebida: tem gente que não sabe parar! Eu era um desses e a glória de hoje viver bem sem a fumaça deve ser bem parecida à sensação de vitória do ex-alcoólatra que deu a volta por cima no copo.

Tutty Vasques, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2009 | 00h00

Não sonho mais que estou fumando, já não dou falta do cigarro na mesa de trabalho, dispenso compensações orais - até as balas eu larguei - e não acho que fiquei mais burro nem mais sem graça do que já era, coisas que dava como certas quando decidi parar. E dei a sorte de não virar um desses chatos de galocha intolerantes com o vício alheio! O ex-fumante antitabagista, em geral, não tem cura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.