SP apresenta a Dilma projetos de R$ 3,5 bi contra seca

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), disse nesta segunda-feira, 10, que levou à presidente Dilma Rousseff (PT) um conjunto de obras para enfrentar a crise hídrica que atinge o Estado, em investimentos que totalizam R$ 3,5 bilhões. Na avaliação do governador, que voltou a afirmar que o Estado não passa por racionamento e que não há risco de abastecimento para a população, São Paulo tem enfrentado a maior seca dos últimos 84 anos com "planejamento" e "uso racional da água".

RICARDO DELLA COLETTA E RAFAEL MORAES MOURA, Estadão Conteúdo

10 Novembro 2014 | 17h53

Alckmin disse esperar que o governo federal contribua com o "máximo que puder" no total de investimentos estimado. "São Paulo não tem racionamento de água, o abastecimento está garantido, estará garantido em novembro, dezembro, janeiro, fevereiro, primeiro semestre, segundo semestre", disse o governador.

Segundo Alckmin, foram oito obras apresentadas: a interligação dos reservatórios Atibainha e Jaguari; dois novos reservatórios em Campinas e adução dessas estruturas; Estações de Produção de Água de Reúso (EPAR) para reforço dos sistemas Guarapiranga e Baixo Cotia; interligação do rio Jaguari com o Atibaia; interligação do rio Pequeno com a represa Billings; e perfuração de poços artesianos na região do Aquífero Guarani.

Há obras que já podem ficar prontas no ano que vem, como as EPARs, disse Alckmin, e há outras que levam até três anos para ficarem prontas. Ele classificou essas obras como "estruturantes" e citou projetos para minimizar os efeitos da crise hídrica no curto prazo: "vamos entregar neste mês de novembro mais um metro cúbico por segundo no Guarapiranga. São 300 mil pessoas que saem do Cantareira e passam para o Guarapiranga", alegou.

Durante a reunião de uma hora no Palácio do Planalto, foi acertada a criação de um grupo de trabalho para tratar da questão, sendo que a primeira reunião foi marcada para a próxima semana, no dia 17, no Ministério do Planejamento.

Transporte

Alckmin também revelou que apresentou a Dilma o projeto do trem intercidades, que ligará Americana, no interior, a Santos, no litoral paulista. "Necessitamos do governo federal a área de passagem para o trem", disse o tucano, para quem não existe conflito entre a proposta estadual e o Trem de Alta Velocidade (TAV).

Ele também negou que, com a reunião de hoje, haja uma "mudança de posição" na relação do Estado com o governo federal, uma vez que PSDB e PT se enfrentaram nas eleições deste ano e os problemas de abastecimento em São Paulo foram usados pelos petistas para atacar a gestão dos tucanos.

Mais conteúdo sobre:
CRISE DA ÁGUA ALCKMIN DILMA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.